sexta-feira, setembro 23, 2011



vigília

noite embala melancolia
ruídos
- zombam em gotas

pálpebra
cristalizada
tomba exausta

- o porto é insone -
pensamento voa
brota o desejo
de abraçar o silêncio
e um poema
parir

cláudia gonçalves


cerne


o pensamento navega
no subterrâneo
da emoção


magia que pulsa
nas entrelinhas
do que projeta

no delírio
da inquietude
está a alma do poeta

cláudia gonçalves