sexta-feira, fevereiro 16, 2007



Lua no Breu

A lua, quando nasce, é um cisco
Semente... serenata
Flutuando ao léu

De corpo crescente ou minguante
Uma nau brincante no céu
Que navega e reluz
Entre as estrelas
Entalhes de prata

Luz que silencia no alto
Um enigma que a todos conduz.

Caminhemos, tu e eu
Em alento, júbilo de peregrino
Pela clara beleza da noite
Enquanto a lua, agora plena
Vai desafiando o breu.


Cláudia Gonçalves & Ricardo Reis

3 comentários:

zjjllb disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Analuka disse...

Luas e luzes flutuam e brilham em teu mundo suave azulado, que me parece familiar!... Gostei destas paragens... Abraço enluarado.

Ricardo disse...

Que esta obra (nossa), sinalize, como um marco, o doce caminho sem volta que cada um de nós está fazendo, ao mundo de profundos ensinamentos que é a terra da verdadeira poesia...Evoé, companheira poeta!!! Te admiro muito!!!