sexta-feira, agosto 17, 2007



Brisa

O breu
do meu cais
abre-se
em luz
entre
rochas
escorre
esperança
onde
monstros
não
habitam
mais.

Cláudia Gonçalves

3 comentários:

ADRIANO disse...

gostei muito da "roupagem" deste texto. intenso, curto. estilo único autentico genuino. que mais?

*andorinharos@ disse...

Brisa...me passa uma visão de uma alma doente, em que a poesia sã, conseguindo vencer o tédio do momento que o corpo declina, transpassa as lacunas escuras e espande!
Lindinha! Gosto disso. Deste estilo que nos leva a desvendar o momento da inspiração.
beijos poetisa Cacau.

"Olhos de Folha Minha" disse...

Os monstros vem misteriosos
mas quando o mar nosso os engole e vemos aguas limpidas
que alívio ver só estrelas nesse mar...

Parabens pelo blog e inteligentes sentimentos

cintia thome