segunda-feira, novembro 19, 2007



Inquietude

de toda
a estranheza
que me invade
entrego-me
a nudez
da poesia

Cláudia Gonçalves

4 comentários:

Fabrício Brandão disse...

Inquietude parece ser a estranha palavra de ordem dos nossos tempos. Quando ela aponta para a teima que avança, diria que com ela seguem também os signos de uma evolução maior: a de nossas almas.

Belos versos, querida!

Paulo disse disse...

Paulo disse...
Um poema inquieto... Livre, leve e verdadeiro. Não há como negar que a voz que lê o poema é a nossa própria voz... Espetacular essa leitura de alma Cacau! Beijão poetisa.

Paulo.

Bruno Candéas disse...

BONITO, BONITO!
parabens cacau
vc é fera!

Anônimo disse...

Tens a poesia tactuada na pele, Poeta. E sem nenhum disfarce.

beijinhos de além-mar.

Cascais,PT.


Antzela Pakos.